Como os homens de hoje podem estar sentindo a mudança de era?

A frequência da energia do masculino parece estar sob uma transformação mais clara de se observar. Com base na boa amostragem qualitativa de nossos atendimentos e "insights", observamos uma espécie de “desacelerada” em comparação a uma vida mais focada em respostas materiais e mais sensível às energias espirituais e sensitivas.

Mas, antes de olhar pra essa questão de um modo simplório (“ah, todo mundo está triste…") vamos passar os olhos no que nos motiva e iniciar este estudo de observação e ouvir sua opinião.

POR
Lou Amaral Judice
Vagg Kaim.jpg

Temos memórias das quais não lembramos. Você pode não lembrar, por exemplo,  do que era e sentia antes de nascer e pode ainda não “ver” o seu futuro, mas tem uma memória de tudo isso guardada em você. Tudo que houve antes, agora e no futuro, se alinham numa camada única. Não é papo furado, é resultado científico comprovado pela Teoria da Relatividade de Tudo, de Einstein.  
 
Temos memórias ancestrais que herdamos, memórias de outros tempos-espaço por onde nosso espírito transitou, memória celular até de dores que nos acostumamos a sentir sem reagir. O convite é para um passeio rápido nestas memórias para entendermos o HOJE. Se visitarmos os momentos de mudança das eras baseadas nos 12 signos do zodíaco, veremos que o Universo todo se alinhou em torno da evolução do ser humano. Sem esta visão ampla, você não vai conseguir ativar memórias, nem auto-conhecimento e, muito menos, consciência cósmica.


 

Um breve resumo sobre os homens, através dos tempos, pode nos ajudar a entender o processo do "aqui e agora" em que vivemos.

O homem de hoje já foi desafiado a tirar a capa da virilidade exacerbada das eras passadas. Ele está mudando numa velocidade muito grande e como toda a humanidade, parece estar apurando seu processo evolutivo.  O que nos parecia mais evidente com relação às mulheres e suas potencialidades mais sensitivas, agora pode estar mais perceptível também nos homens. O que pretendemos mostrar é que os homens podem estar dando provas contundentes de que sua natureza se ajusta, com velocidade, à energia da nova Era de Aquário numa possível constatação de que percebe estar vivendo nesta transição.

Importante lembrar que as mulheres desenvolvem sensibilidade por força do latente instinto de maternidade, seja ela mãe ou não. Sua natureza é, essencialmente, a de proteção da cria e o útero ativa seu chakra de um modo mais profundo. Além disso, exposta aos sofrimentos do “rebaixamento social” imposto por visões patriarcais das últimas civilizações, na Era de Peixes elas voltam a recuperar autoestima, senso de liberdade e independência. A própria resiliência das mulheres nas eras mais violentas pode ter acelerado sua sintonia com as altas vibrações da Era de Aquário enquanto que ao homem, foi imposto assumir o domínio e o "poder" sobre a matéria.

Os profissionais que lidam com processos energéticos podem ter que redobrar a atenção para tratar o alinhamento vibracional deste homem de hoje com as pessoas de seu relacionamento. ao que parece, muitas mulheres continuam a olhar os homens de hoje como ele nos foi “vendido” nas últimas eras: um provedor, um conquistador, com força de domínio para as decisões mais importantes da vida adulta. Mas a hora do equilíbrio chegou. Este talvez seja um importante fator para que juntas, energias do masculino e do feminino entrem alinhadas na Era de Aquário.

Aos homens talvez seja prudente uma revista às suas origens. Na Era de Leão (Era Glacial, Período Paleolítico de 10 a 8 mil anos trás) o homem sequer sabia que seu esperma fecundava a mulher gerando uma vida em seu ventre. Por isso a mulher era vista como uma espécie de deusa sagrada com auto-suficiência até para alimentar seus filhos sem precisar do homem.

Depois disso vieram tempos em que o feminino ainda era visto como “sagrado” (como no Egito Antigo) até chegarem as Eras de Áries que vão até 498 depois do nascimento de Cristo (dC) e a nossa, atual, a Era de Peixes onde a virilidade masculina e a ideia de sociedades patriarcais,
ainda são super valorizadas.  


 
CM Idade Média Duque OK.jpg

A constante presença do Rei de Paus

UMA OPÇÃO

  
Este artigo foi inspirado na carta do Rei de Paus da cartomancia.  Ela vem representada pela imagem de um Duque, figura da nobreza na Idade Média. Esta época, simboliza bem a Era de Peixes onde é dado aos homens um poder extremo que o associava às conquistas e expansões territoriais. Mas o Rei de Espadas nos castelos medievais e nos círculos de poderes, representa os nobres que tinham uma função mais neutra mas bem significativa. Atuavam entre o poder absoluto dos Reis e dos religiosos do Alto Clero e amenizavam a “mão pesada” destes poderosos. Eram títulos dados por influência mas também por mérito e bravura. Depois eram passados para os herdeiros e estas famílias podiam “circular” por ambientes reais criando uma espécie de “intermediação” entre Reis, cavaleiros-guerreiros e clérigos. Geralmente, acumulavam as funções de lutar nas guerras mas sempre com um olhar (digamos) mais gerencial. Daí surge o termo “fidalgo”. Eram como “amortecedores” sociais. Imagine o Rei acordando de mal humor, querendo matar todo mundo e o clero preocupado em dominar a massa de gente impondo medo pela “ira de Deus”?  Com estes poderes supremos, estes poucos decidiam o destino de muitos. O simbolismo da carta do Rei de Paus entra gerenciando e mediando as forças. Por isso, em dado momento das experiências holísticas, esta carta surge como simbolismo de algo muito atual:
uma opção de transição das forças masculinas que dá sentido ao termo “nobre de espírito”.




OS HOMENS DE HOJE

Se estamos sendo preparados ou devemos preparar filhos e netos para os portais da
Era de Aquário, esta transição pode gerar algum "desconforto" se não for bem compreendida. Podemos estar todos um pouco perdidos com relação aos nossos papéis neste novo tempo. Homens podem, por exemplo, começar a sentir a necessidade de se alinhar com os elementos da natureza bem como observar mudanças importantes nas diferentes fases lunares. Muitos destes fenômenos eram mais bem observadas pela mulher, principalmente na solitária fase de sua fertilidade.

Por força deste momento de sofrimento de todos os seres humanos na Terra, nos últimos anos estamos sendo expostos a muitos medos. Os homens, de um modo geral, sentem mais o peso da sobrevivência quando se veem diante da escassez que já vem se manifestando há alguns anos. Os estranhos movimentos geopolíticos mundiais que vêm ocorrendo desde a Grande Recessão de 2008-9 quando o sistema ocidental mostra "...uma queda maciça no investimento e na produção no setor capitalista das principais economias", iniciou o terrível cenário que vemos hoje. Os 99% do mundo se rendendo à perversa política do 1% de milionários que movimentam mais de 60% de todas as riquezas circulantes do planeta.  O que se vê, a partir daí com especial agravamento em 2016 no Brasil, é uma imensa precarização do trabalho. Desde então, principalmente nos meios onde se trabalha o alinhamento das energias, começamos a notar que os homem, em espacial, se sentem confusos com sua posição no mundo, tentam se acostumar com os fatos e manifestam sintomas de depressão. Agora, ainda mais limitados em sua natureza de “ação e caça” em plena pandemia, os homens já não se expandem mais tão livremente e experimentam grandes restrições às experiências que ativam seus sentidos. Sem perspectivas claras de mercado de trabalho, este homem pode estar sofrendo mais do que o normal e, consequentemente, expandido rapidamente o plano espiritual. Pelas ressignificações de valores e papéis sociais, o homem de hoje começará a ver felicidade em situações similares às que as mulheres sempre buscaram. Estarão mais preparados para experimentar os sentimentos desta harmonia e equilíbrio com o sagrado feminino. Sentindo-se presos à “cavernas” mostram dificuldades de se identificar com sua natureza. Não sendo mais cobrado a este homem ostentar o selo de “virilidade” como fator de destaque, a dúvida de alguns pode levar à um exacerbado movimento contrário de comportamento primário até que entendam e aceitem seus valores e seu próprio destino. No fundo, o medo de
adoecer e morrer antes da hora, traz a todos, a necessidade de rever suas crenças.


O que a gente quer saber agora é se este homem de hoje está pronto para se ver no papel do Rei de Paus. Disposto a rever esta grande e histórica jornada dos rótulos de sua masculinidade,  precisamos avaliar se está sendo apoiado pelas mulheres que, sem dores, sem disputas e sem mágoas entendem a importância destas novas vibrações cósmicas. É um processo em plena transformação que promove um encontro de almas. Esta é a promessa da nova era, harmonia e equilíbrio entre Universo, planeta e civilizações mais felizes.      


COMO MODULAR COM ESTE HOMEM

Velhas fórmulas e padrões não funcionam mais para novas verdades. Alguns(as) médiuns e tarólogos(as) observam traços mais visíveis desta transformação. As pessoas que conseguirem vibrar em alta potência energética, vão começar a sentir as  baixas vibrações e não vão mais suporta-las. Ficaremos cada vez mais sensitivos e aprenderemos a nos comunicar e agir de modo mais intuitivo. É fundamental observar que os homens de agora, se forem oprimidos no trabalho, possivelmente vão preferir abandonar tudo. Se as pessoas com quem se relacionarem amorosamente estiverem em sofrimento, se não resolveram seus problemas de autoconhecimento, se não souberem produzir “silêncio contemplativo” e usarem muito o intelecto sobrecarregado de julgamento,  provavelmente este novo homem da Era de Aquário preferirá ficar só.